BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


sexta-feira, 10 de julho de 2015

Yellowstone: Erupção levaria a evacuação dos EUA para o Brasil

 



O governo dos EUA estaria trabalhando com plano secreto de evacuação em massa de sua população caso o mega vulcão de Yellowstone entrar em erupção?  

Milhões de cidadãos norte-americanos poderiam acabar se mudando para o BRASIL, a Austrália e Argentina se o mega vulcão de Yellowstone entrar em erupção plena, hipótese que vem sendo cada vez mais defendida de estar muito próxima de acontecer.



Os teóricos da conspiração afirmam que os cidadãos norte-americanos sobreviventes poderiam ser realocados para a Austrália, BRASIL e na Argentina
Última grande erupção foi há 70 mil anos atrás
O Mega vulcão poderia ser reclassificado como ‘extinto’ – apesar de que recentemente pesquisadores reverem seu tamanho que seria de fato 2,5 vezes maior do que eles imaginavam
Fonte: http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2623684/Conspiracy-theories-claim-US-government-working-secret-evacuation-plan-case-Yellowstone-megavolcano-erupts.html#ixzz31Mh0JjzY

Ao DAILY MAIL REPORTER


O Site de notícias Sul-Africano Praag afirma que foi oferecido US$ 10 bilhões por ano ao Congresso Nacional Africano, durante 10 anos, para se construir abrigos temporários para os norte americanos em caso de uma erupção em Yellowstone, como parte dos planos de contingência que está sendo elaborado pelo governo dos EUA.



Área de grande beleza natural: A gigantesca caldeira do vulcão de Yellowstone (circulado em vermelho) em Wyoming é o maior super-vulcão do mundo. 

Blogueiros e teóricos da conspiração passaram semanas debatendo os planos, uma vez que foi reivindicada que os animais selvagens estão fugindo da área (veja vídeo abaixo) demonstrado em vídeo – mesmo que os guardas do parque tenham dito, que de fato, eles estavam com medo dos turistas.
O deslocamento dos animais  foi descrito como porque: “Era um dia primaveril e eles estavam brincando. Ao contrário dos relatórios on-line, é uma ocorrência natural e não o fim do mundo “, disse o porta-voz do parque Amy Bartlett.
Se o maior vulcão do mundo entrar em erupção, grande parte dos EUA seria deixado completamente encoberto por cinzas vulcânicas. No entanto, os pesquisadores dizem que não há sinais de uma erupção iminente.
Bufalos selvagens abandonando a área do vulcão em gravação recente na região: 
“A chance de isso acontecer em nossas vidas atuais é extremamente insignificante”, disse Peter Cervelli, diretor associado de ciência e tecnologia no U.S. Geological Survey’s (USGS) Volcano Science, na Califórnia.

Um estudo recente do maciço supervulcão sob o Parque Nacional de Yellowstone nos EUA – que os investigadores realizaram no local recentemente determinou que o tamanho do vulcão era de 2,5 vezes maior do que eles pensavam – e realmente ele poderia em breve estar extinto.


Os pesquisadores analisaram a água e o gás da região, e concluíram que ele já poderia estar em seu “leito de morte”(à beira da extinção).


ERUPÇÕES ANTERIORES

De acordo com o Serviço Geológico dos EUA, houve três grandes erupções do supervulcão de Yellowstone, nos últimos milhões de anos. A primeira foi cerca de 2,1 milhões de anos atrás, a segunda ocorreu 1,3 milhões de anos atrás e a última grande erupção foi em torno de 640 mil anos atrás.

No super vulcão de Yellowstone e alguns outros vulcões, alguns cientistas acreditam que acontecem fraturas e rachaduras em um padrão concêntrico ou anel-fractura na crosta da Terra. Em algum momento essas rachaduras chegam até ao  reservatório de magma, liberando a pressão, e o vulcão explode. A enorme quantidade de material liberado faz com que o vulcão entre em colapso em uma enorme cratera, uma caldeira.
De acordo com Ken Sims, da Universidade de Wyoming, as amostras de ar e água retiradas do maior vulcão do mundo sugerem que ele poderia estar se extinguindo. A equipe analisou a acidez em amostras de água e de radon no ar como parte de seu estudo sobre a condição do vulcão de Yellowstone.
O Geiser Old Faithful em erupção, expelindo água fervente no Parque Nacional de Yellowstone no inverno: Os pesquisadores agora dizem que o supervulcão gigante sob o parque poderia estar se extinguindo.
Eles também analisaram como a água e o gás se misturam e como se levantam do chão em uma tentativa de melhorar os métodos de erupções prevendo e identificando as áreas mais voláteis do parque. No momento, o vulcão de Yellowstone é classificado como dormente, não tendo sofrido erupção nos últimos 70.000 anos. 
Se ele se tornar um vulcão extinto, ele nunca vai entrar em erupção novamente. No início de novembro do ano passado, uma equipe de pesquisadores da Universidade do Wyoming  liderados por Sims espalharam lonas no chão coberto de neve perto de terraços brancos fora da área de Mammoth Hot Springs, onde piscinas de águas quentes são empilhadas sobrepostas como pequenas montanhas cheias de água cristalina.

Mammoth Hot Springs é um grande complexo de águas termais em uma colina de travertino em Yellowstone National Park ao lado do Fort Yellowstone eo Historic District Mammoth Hot Springs . Ele foi sendo criado ao longo de milhares de anos na medida que a água quente da primavera é refrigerado e depositado carbonato de cálcio (mais de duas toneladas flui em Mammoth a cada dia em uma solução). Embora essas fontes estejam fora dos limites da caldeira vulcânica, a sua energia tem sido atribuída ao mesmo sistema magmático que alimenta outras áreas geotérmicas do supervulcão de Yellowstone. Nenhuma árvore ou vegetação resiste e morre neste local.
Sims estava estudando o quão rápido a água e o gás se misturam à medida que sobem para a superfície. Sua pesquisa pode vir a ajudar os cientistas a entender o que causa as erupções de vapor. 
Se eles sabem como o vapor de água sobe rápido e interage no parque, eles podem prever melhor quando uma área se tornará mais volátil. Apesar dos receios de que o supervulcão possa ser extinto, o parque continua sendo um dos laboratórios de pesquisa mais importantes do mundo, atraindo cientistas de renome internacional que estudam tudo, desde terremotos para as origens da vida para o poder escondido sob o solo desse vulcão.
‘Yellowstone está tão acima em várias áreas de muitas maneiras, que às vezes ele grita para você a resposta que está acontecendo em outros lugares “, disse Jacob Löwenstern, cientista responsável pelo Observatório de Vulcões Yellowstone. O parque original tem 40 quilômetros de extensão em lama de rocha derretida e cristal do primeiro parque nacional criado no país.
Emerald Spring Pool, com água quente (cerca de 85º C), na Basin Black Sand, no parque nacional de Yellowstone – e que os pesquisadores dizem que nunca pode entrar em erupção novamente…




Em vez de um único cone com um furo, a caldeira do vulcão é um labirinto interligado de gás e água cobrindo quase 60 quilômetros do canto noroeste do estado do Wyoming, junto com partes dos estados de Montana e Idaho.
Mais de 10.000 pontos de barro em ebulição, rios com águas ferventes e gêiseres agindo como válvulas de liberação de pressão da natureza, mantendo o super vulcão monstro aquecido evitando que ele exploda. 
E tudo se move. Mammoth Terraces, na porção norte do parque, podem crescer verticalmente até 3 metros por ano e se estender horizontalmente ainda mais longe. Nascente de água dissolve calcário sob a superfície; CO2 evapora e deixa para trás o carbonato de cálcio branco.

Este mapa do Serviço Geológico dos EUA mostra a gama de cinzas vulcânicas que foi depositado após os três enormes erupções ao longo dos últimos 2,1 milhões de anos. Alega-se que já existam planos de contingência em caso de uma nova erupção que poderia incluir a mudança de milhões de norte americanos para outros países,inclusive o BRASIL.

Os terraços são construidos até suas aberturas se entupirem e a pressão dos gases forçar um ponto mais fraco para se abrir em outro lugar. “O calor do vulcão Yellowstone é o que impulsiona o sistema hidrotérmico”, disse Henry Heasler, geólogo do parque. “Ele fica quente e sobe, e a câmara de magma, ou reservatório, está a uma profundidade relativamente rasa. (n.t. e os cientistas dizem que tudo isto pode estar acontecendo em um supervulcão que estaria à beira da extinção??).

Yellowstone: Supervulcão é muito maior do que se pensava


Supervulcão de Yellowstone é cerca de 2,5 vezes maior do que se pensava, diz estudo
Um “supervulcão” que está abaixo do solo no Parque Nacional de Yellowstone, com três enormes calderas, é tão grande que o seu tamanho abrange três estados, Wyoming, Idaho e Montana, nos Estados Unidos, e é muito maior do que se pensava inicialmente, segundo um último estudo científico publicado pela  Sociedade Americana de Geofísica.
“O NÉSCIO pode associar-se a um sábio toda a sua vida, mas percebe tão pouco da verdade como a colher do gosto da sopa. O homem inteligente pode associar-se a um sábio por um minuto, e perceber tanto da verdade quanto o paladar sabe do sabor da sopa”. 
A pesquisa mostra que a câmera (caldeira) de magma é 2,5 vezes maior do que o apontado por um levantamento anterior. A caverna teria 90 quilômetros de largura e algo entre 2 e 15 quilômetros de altura, com 200 a 600 quilômetros cúbicos de rocha fundida em estado liquefeito!!.
Lagos de água quente são provas da magma quente que está abaixo da superfície em Yellowstone.








Um “supervulcão” que está abaixo do solo no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, é muito maior do que se pensava inicialmente, segundo o estudo.
A pesquisa mostra que a câmera (Caldera) de magma é 2,5 vezes maior do que o apontado por um levantamento anterior. A caverna teria 90 quilômetros de largura e algo entre 2 e 15 quilômetros de altura, com 200 a 600 quilômetros cúbicos de rocha fundida, liquefeita.
A caldera do supervulcão teria 90 quilômetros de largura e algo entre 2 e 15 quilômetros de altura,com 200 a 600 quilômetros cúbicos de rocha fundida em estado liquefeito!
Os dados foram apresentados durante um encontro da Sociedade Americana de Geofísica (American Geophysical Union), de São Francisco. Nós estamos trabalhando lá há muito tempo, e sempre pensamos que ele poderia ser maior. Mas esta descoberta é estarrecedora, diz Bob Smith, pesquisador da Universidade de Utah.
A Caldeira de Yellowstone é uma caldeira vulcânica situada no Parque Nacional de Yellowstone nos Estados Unidos, por vezes designada como Supervulcão de Yellowstone. Ele é considerado um supervulcão, pois uma possível erupção sua poderia durar semanas provocando efeitos globais, que persistiriam por meses ou até por anos. Sua cratera tem 90 quilômetros de extensão, e sua caldeira é 40 vezes maior do que a do Monte Santa Helena, sendo que boa parte de seu magma é eruptivo.
Caso o supervulcão de Yellowstone entrasse em erupção, as consequências poderiam ser catastróficas. Na última vez que isso aconteceu – há 640 mil anos –, ele espalhou cinzas por todo o continente da América do Norte, afetando o clima do planeta inteiro durante anos.
Nos Estados Unidos, o supervulcão de Yellowstone está subindo. Sua “caldeira” maior, uma grande baia de 90 km de comprimento e 40 km de largura situada no centro do parque nacional do mesmo nome e criada por uma enorme explosão vulcânica acontecida 642 mil anos atrás, se ergueu em 18 centímetros entre julho de 2004 e o final de 2006, o que representa uma média anual de 7 cm. Essa elevação da caldeira de Yellowstone foi constatada pelas 12 estações do sistema de posicionamento global (GPS) instaladas na região do vulcão e pelo radar especializado do sistema Envisat, da Agência Espacial Européia (ESA). O ritmo de elevação vem sendo bem mais rápido do que o observado de 1923 até recentemente. As elevações anuais médias são da ordem de 2 cm.
Próxima erupção
Os cientistas acreditam que, com o novo estudo, passam a ter informações mais precisas sobre o supervulcão. Eles usaram uma rede de sismógrafos espalhados pelo Parque Nacional para tentar mapear o conteúdo da câmera de magma.
Uma das melhores simulações do potencial eruptivo do Yellowstone Super Vulcão é a explosão mostrada no filme “2012”:
Nós registramos terremotos no Yellowstone e arredores e medimos as ondas sísmicas na medida em que passam pelo solo. As ondas viajam mais lentamente por material quente e fundido. Assim conseguimos medir o que está abaixo do solo”, diz o pesquisador Jamie Farrell, também da Universidade de Utah.
Smith explica que apesar de o tamanho ser muito maior do que o medido em outros estudos, isso não aumenta os riscos para a fauna no Parque Nacional. Ele disse também que não há forma de prever quando o supervulcão voltará a entrar em erupção.

O Parque de Yellowstone registra atividade sísmica moderada mas regular e constante, com centenas de abalos a cada ano. O mais violento, com magnitude 7,5 na escala Richter, aconteceu em 1959. O calor gerado pelo magma, situado a baixa profundidade, alimenta os processos geotérmicos característicos do parque, que conta com mais de 200 gêiseres e numerosas fontes e lagos hidrotérmicos.
Alguns acreditam que o vulcão deveria entrar em erupção a cada 700 mil anos, mas Smith acredita que é preciso coletar mais dados para sustentar essa teoria. Até agora, os cientistas só têm informações sobre três erupções passadas do supervulcão, ocorridas há 2,1 milhões, 1,3 milhão e 640 mil anos.
É apenas com base nestes registros que eles estimam esse intervalo de cerca de 700 mil anos entre erupções.

O que Sabemos não é tudo que Existe - Parte 180 ALGUMAS CHAVES PARA PORTAS INTERDITAS



"Aliás, essa ocultação faz-se por si própria, pois o verdadeiro poder passa pelas mãos dos homens de ciência. Eles têm uma linguagem e formas de pensamento que lhes são próprias. Não se trata de uma barreira artificial. 
O verbo é diferente porque o espírito está situado noutro nível. Os homens de ciência persuadiram os possessores de que possuiriam ainda mais, os governantes de que governariam ainda mais se recorressem a eles. E conquistaram rapidamente uma posição acima da riqueza e do poder. De que forma? Em primeiro lugar introduzindo em tudo a infinita complexidade. O pensamento que aspira a ser dirigente complica ao máximo o sistema que deseja destruir para chamar a si sem reações de defesa, da mesma forma que a aranha envolve a presa...." (Pauwels e Bergier - O Despertar dos Mágicos)



Na bizarra imagem acima você pode ver uma imensa tartaruga, tendo acima dois elefantes e, por sobre eles, meio globo terrestre, certo? Certo! E você sabe o que é isso? Apenas aquilo que os sábios de uma antigüidade não muito remota achavam (e ensinavam) o que seria a nossa Terra: apoiada por quatro elefantes e estes, por sua vez, sustentados por uma imensa tartaruga-marinha. Portanto, quem se atrevesse a navegar até as extremidades cairia no abismo!!! E isso muito embora.... Os cronistas bíblicos - há milênios antes deles - já soubessem que a terra era redonda e tivessem até escrito que "Há Um que mora acima do CÍRCULO DA TERRA", através da palavra hebraica "HHUG" - que também pode significar ESFERA! E foi justamente a audácia dos grandes navegadores que colocou por terra essa teoria absurda e extravagante. E por incrível que possa parecer, guardadas as devidas proporções, ainda hoje, em pleno Século XXI, certos sábios e algumas pessoas ditas inteligentes insistem em negar as gritantes evidências que provam a existência de inúmeras coisas ainda não inteiramente explicadas e situadas muito além da nossa imaginação, as quais poderão certamente vir a fazer parte de uma nova Ciência nos dias futuros do amanhã.


Os céticos, como também alguns escolares insistem, por exemplo, em rejeitar e negar a existência de certas "portas dimensionais" existentes aqui mesmo no nosso mundo, as quais repentinamente se abrem conduzindo para outras dimensões do tempo e do próprio espaço tudo aquilo que estiver no seu caminho. Um caso notório ocorreu em 1934. O piloto da Força Aérea Britânica Victor Goddard foi apanhado, juntamente com a sua aeronave do tipo Hawke Hart, em meio a uma violenta tempestade nos céus da Escócia. A única solução seria tentar pousar no campo abandonado de Drem - um aeroporto já desativado há bastante tempo. Segundo seu relato, subitamente toda a área em que voava foi tomada por uma luminosidade estranha e etérea. Então Goddard,a uma baixa altitude de cerca de 50 pés, viu o aeroporto de Drem mas de um modo absolutamente diferente: havia nele uma intensa atividade: máquinas e pessoas circulando, além de vários aeroplanos amarelos estacionados. Subitamente o sol voltou a brilhar e o tempo acalmou, tudo voltando ao normal e Goddard retomando os controles do avião, seguindo em outra direção. Pensando tratar-se de uma breve alucinação, o piloto esqueceu o episódio. O ano era, como já dissemos, 1934 e o Campo de Drem estava realmente abandonado e em ruínas. Porém, com a ameaça da Guerra Mundial, em 1938 este aeroporto retomou as suas atividades servindo de base para treinamento dos pilotos de aviões militares. E foi precisamente neste ano que as cores dos aviões de treinamento da RAF mudaram do cinza para.... O AMARELO. Em síntese, Goddard foi involuntariamente capturado em um estranho campo eletromagnético que o fez em questão de poucos segundos avançar QUATRO ANOS NA DIREÇÃO DO FUTURO!


Pois é! E muitos ainda deles rejeitam a simples hipótese de a vida estar espalhada por todo o Universo. Muitas civilizações alienígenas certamente estão ainda atuantes, ao passo que outras nasceram, viveram, atingiram seu apogeu e depois se extinguiram. Na imagem acima temos uma foto da NASA mostrando no solo do planeta Marte aquilo que os seus cientistas oficialmente classificaram como "um meteorito". Um "meteorito" certamente muito maroto que, por sinal, apresenta duas características bem marcantes: a primeira é que - contrariando tudo aquilo que se conhece - ele pousou de modo suave sem afundar profundamente no solo e sem abrir uma cratera, como seria normal. A segunda é que.... ELE TEM FEIÇÕES QUASE HUMANAS: olhos, nariz e boca! Mais parece um enorme crânio fossilizado, não?


Claro que sim! E veja nessa outra imagem tomada no solo marciano um outro "meteorito" bem especial e não menos maroto do que o anterior......


..... O qual também é dotado de olhos, nariz e boca! Não é mesmo muito sutil esses método da NASA de fotografar essas coisas estranhas e a elas atribuir uma classificação impossível, divulgando todavia as imagens "assim como quem não quer nada" para que os mais argutos possam devidamente interpretá-las? Ou será que lá dentro existiria um grupo de cientistas lúcidos que, não se conformando com as negativas oficiais, discretamente e como uma forma de protesto, colocaria sutilmente "na rua" tudo aquilo que eles mesmos são obrigados a esconder?


E aqui uma foto, tomada dessa feita por sobre a enigmática superfície de Marte, a qual possui o número de classificação da NASA MSG 13503. Sabe qual o nome que eles mesmos deram a esse bizarro "acidente geográfico"? A FACE DE ULYSSES! Quanta sutileza junta!


E veja essa outra surpreendente imagem marciana: CLARAMENTE UMA FLORESTA CONGELADA!!!!


Fred Hoyle, notável cientista e astrônomo, foi ridicularizado quando afirmou que no Universo existiriam FORMAS DE CONSCIÊNCIA atuantes, e que algumas galáxias e nebulosas seriam nada menos que exemplares delas. Veja essa impressionante foto de um nebulosa, dotada de olhos, nariz, boca, uma expressão grave e até mesmo uma espécie de manto!


Não podemos duvidar de nada, uma vez que NADA SABEMOS. Aqui, uma outra nebulosa (também mostarda em negativo, à direita) que aparenta um personagem vestido em um longo manto. E quem sabe Fred Hoyle não tinha razão? E por que não as Galáxias e as Nebulosas não poderiam mesmo ser Zonas de Consciência? Anjos Tutelares, Guardiães, ou quem sabe algo cuja nossa (ainda) muito limitada compreensão não nos permite antever?


Sim, coisas ainda muito além da nossa limitada compreensão nos acompanham desde muito tempo. E lamentavelmente e da mesma forma existem certos obscuros setores que sufocam o conhecimento. Acima, você vê uma ilustração a bico de pena contida em uma carta escrita por um humanista florentino, Bartolomeu Fonte, para Lourenço, O Magnífico. Ela relata algo surpreendente que ocorreu em abril de 1845 em meio às ruínas do Império Romano, situadas na Via Ápia. Trabalhadores à procura de mármore descobriram uma cripta hermeticamente selada, contendo um sarcófago. Ao ser aberta, luminárias muito antigas inexplicavelmente AINDA estavam brilhando e logo se apagaram! Contudo, isso não foi a única coisa inusitada ali presente: no interior do sarcófago de mármore jazia o corpo de uma bela jovem do velho Império Romano PERFEITAMENTE PRESERVADO! Segundo a carta de Bartolomeu Fonte, - "se não tivéssemos toda Roma por testemunho, a história seria, de fato, inacreditável. Quando o abriram descobriram um corpo revestido de uma substância gordurosa, mas fragrante, de dois dedos de espessura. Quando retiraram o revestimento deram com um rosto pálido, de traços tão nítidos que dava a impressão de a moça ter sido enterrada ontem. Os longos cabelos negros, ainda firmemente presos ao couro cabeludo, estavam amarrados num nó e repartidos de modo apropriado a uma donzela, envolvia-os também uma rede de seda e ouro. Orelhas pequeninas, testa delicada, sobrancelhas negras - e, finalmente, olhos de forma curiosa, com o branco aparecendo debaixo das pálpebras. Os lábios, vermelhos, ligeiramente apartados, mostravam dentes pequeninos e alvos e a língua escarlate até quase o céu da boca. Os braços pendiam dos ombros em tão perfeito estado que PODIAM SER MOVIDOS EM QUALQUER DIREÇÃO..... Em suma, aqui estava uma moça sublimemente formosa, de família nobre, do tempo em que Roma se achava no pináculo da glória.....". Chocante, não? Tudo isso revela um saber muito antigo, uma tecnologia fantástica proveniente da mais remota antigüidade cujos esparsos resquícios se perpetuaram através dos tempos. Essa curiosa "múmia viva" esteve em exibição no Palazzo dei Conservatore, de Roma, por durante dois dias após a sua descoberta, tendo sido inclusive visitada por vinte mil pessoas. Contudo, a Igreja Católica tão logo soube desse espantoso fenômeno, expediu através do Papa Inocêncio VIII uma ordem urgente para que o corpo da moça fosse levado na calada da noite para um lugar secreto situado além de Porta Pinciana e enterrado sob o mais absoluto sigilo. POR QUÊ?


Precisamente porque eles (assim como tantos outros) sabem, e no entanto escondem, que no nosso mais remoto passado civilizações tecnológicas muito evoluídas se estabeleceram aqui no nosso planeta! O Incêndio da Biblioteca de Alexandria foi proposital, orquestrado e criminoso. A covarde destruição dos Códices Maias também visou a extinção desse conhecimento. Todavia, os inegáveis vestígios estão mesmo espalhados por todos os lados e os desafiam. Na foto acima, temos uma visão por satélite do misterioso Egito, um dos repositórios desses conhecimentos. Ali também há sinais tanto na terra quanto voltados para o CÉU. Observe a colossal imagem de um personagem usando um toucado, quase na parte superior da imagem e à direita..... (FOTO: ©MDA Earthsat, National Geographic Society, Google)


Comprove com a maior aproximação da imagem. Não pode mesmo se tratar de um mero acaso! (FOTO: ©MDA Earthsat, National Geographic Society, Google)


Assim como não pode se tratar de um mero acaso a real existência de certas criaturas ainda não catalogadas nos convencionais tratados de Biologia e que furtivamente se arrastam por sobre a face da Terra, apesar das negativas oficiais que preferem comodamente encarar todas as evidências como simples embustes sem se dar ao mínimo trabalho de pesquisar. Veja o que a câmera captou nas margens de um lago e em meio à escuridão da noite.....


...... Uma imagem sempre vale mais que mil palavras. E a imagem aproximada, como também o seu negativo, não deixam margens a quaisquer dúvidas. Animais desconhecidos, muitos deles remanescentes dos tempos pré-históricos, ainda vivem e se reproduzem nos lugares mais isolados do nosso globo - apesar das ferrenhas negativas dos céticos.


Sim, coisas muito estranhas nos espreitam na escuridão das noites! Na foto um dos famosos Sasquaths, criatura bípede com aparência primata, porém demonstrando ser altamente inteligente e racional - assim como os humanos. Aparece com maior freqüência nas regiões florestais mais isoladas do território norte-americano.


Não é novidade alguma! E eles, os céticos e os negadores oficiais, também sabem que certas criaturas - muito possivelmente não-terrestres - andam promovendo as suas caçadas predatórias pelo nosso mundo, atacando, matando e mutilando rebanhos e seres humanos. Trata-se de um fenômeno muito antigo (e cada vez mais atual) - assim como se pode constatar por essa antiga e muito bizarra ilustração baseada em uma ocorrência tida como real. Uma horrenda criatura fazendo parte de um grupo maior (visto ao fundo) ataca um jovem.


Meras lendas ou simples superstições? De maneira alguma! De vez em quando uma dessas letais criaturas passa de caçador a caça! Em uma localidade sul americana, um grupo de assustados moradores exibe a horrenda cabeça de um dos famosos "Chupacabras" - um ser meio-animal, meio-homem, que age em toda a face da Terra e é responsável pelas cruéis devastações promovidas em rebanhos e até mesmo nos seres humanos que inadvertidamente cruzam os seus caminhos! E não são animais no estrito senso da palavra, uma vez que.... FAZEM USO DE INSTRUMENTAL CIRÚRGICO DESCONHECIDO para sugar das suas infelizes vítimas todo o sangue e os órgãos internos, com os quais alimentam os da sua desconhecida espécie.


Criaturas reptilianas, conforme descritas por diversas testemunhas, avistadas em Montauk, EUA. Esses seres de origem não-identificada estariam entocados há muito tempo no nosso subsolo, de lá saindo apenas para tocaiar as suas presas. O nome deriva das suas peles escamosas, tais como as dos nosso lagartos. Evidentemente, não são animais uma vez que animais não usam uniformes com insígnias!


Faz sentido, uma vez que antigos relevos maias nos mostram que esse repelente tipo de criatura era "apaziguado", pelo que se depreende, com oferendas no mínimo macabras: restos humanos esquartejados!


E veja só o que exploradores descobriram em uma profunda caverna situada em Belize, América Central - precisamente em um local chamado "Vale Perdido dos Maias": nada menos que os restos fossilizados de uma horrenda criatura bípede não catalogada pela Ciência oficial. Note-se as suas garras. Obviamente uma coisa que não era desse mundo! Portanto, Prezado Visitante, quando lhe ensinarem, ou disserem, que alguma coisa não existe, pense 10 - ou quem sabe 100 - vezes antes de aceitar pacificamente o fato.







Klaus Dona: A História Secreta da Raça Humana - Parte 2


Março de 2010 
Bill Ryan (BR): Sou Bill Ryan do Projeto Camelot e Avalon. 
Hoje é 20 de fevereiro de 2010 e é meu grande privilégio me reunir novamente com Klaus Dona. Nesta apresentação de vídeo teremos uma entrevista com uma diferença, porque, na verdade, eu vou falar muito pouco, talvez nada no todo!


Klaus estará fazendo um comentário em áudio sobre uma das apresentações dele em slides muito especial, incomum e fascinante sobre os artefatos e os vários fenômenos que ele vem pesquisando, descobrindo, investigando pessoalmente em todo o mundo relacionados com o que eu acho que você poderia legitimamente chamar A História Secreta da Raça Humana. Você diria que isso é um bom resumo, Klaus?
E, na taça grande, você pode ver uma constelação perfeitamente gravada, mostrando também Orion e outras estrelas. E dentro da taça grande é muito, muito magnético e fora da taça não há quase nada. Geólogos profissionais estão dizendo que isso é impossível, porque se uma pedra tem partículas de metal dentro da pedra, ela deve ter o mesmo magnetismo em ambos os lados.
Aqui está a taça grande de perto e você pode ver uma representação perfeita de constelações e elas estão brilhando muito intensamente, se você colocar luz negra sobre ele.


Aqui você tem algumas taças pequenas em que você pode ver com mais clareza o estilo dos números impressos em um material estranho que também brilha sob luz negra.


Outra peça, [esquerda], uma placa de jade com a mesma constelação impressa como a da taça grande e duas pessoas olhando para o céu. E na foto [lado direito] você pode ver que também os olhos dessas duas estátuas e a constelação brilham fortemente sob luz negra.



Esta, uma vez, foi uma pedra marrom de forma compacta, a cor muda no centro da pedra para preto, que normalmente não acontece na natureza. Você pode ver... Se você olhar muito de perto, você pode ver um rosto com os olhos fechados, com boca, nariz, uma longa barba e cabelos longos. No lado esquerdo, o rosto e também a pedra estão quebrados.

Este é o reverso dessa pedra. Você pode ver uma espiral e um triângulo. O centro do triângulo é muito magnético, também brilha sob luz negra.


Aqui temos a parte traseira de uma cobra. A cobra nunca existiu na América do Sul, mas esta foi encontrado no mesmo local.



Deste lado da cabeça da cobra, [esquerda], você tem 33 linhas no comprimento, por isso 33 é também um número muito místico desde muito, muito tempo. E do lado esquerdo e do lado direito você tem sete pontos marcados e talvez estes sejam os chakras. Também a cabeça desta cobra brilha muito se você colocar luz negra sobre ela [direita].

Um outro objeto. Aqui você tem um escultura perfeita de uma cabeça de golfinho e também este artefato brilha sob a luz negra.

A esquerda, você tem uma espécie de capacete de pedra. Você pode colocar este capacete de granito em seus ombros, ou você pode colocar sua cabeça dentro dele. E os pontos marcados que você vê neste capacete, alguns especialistas disseram-me que esses pontos são exatamente os pontos de acupuntura na cabeça humana. Na foto a direita você pode ver como isso poderia ter sido utilizado.


Alguns meses atrás, eles encontraram no mesmo local um capacete de pedra inacabada [esquerda]. Então, isso significa que também alguns desses artefatos foram feitos no Equador, mas há muitos, muitos anos atrás. E também as marcas nesse objeto brilham intensamente sob luz negra [direita].





Esta é uma cobra de jade fantástica. E também os pontos de incrustação brilham sob a luz negra.

A esquerda, temos um artefato que esta perfeitamente esculpido na parte de trás, o que significa que poderia ter sido usado para colocá-lo na frente da testa. Você pode ver os dois olhos embutidos. E no verso [direita] você tem o chamado terceiro olho. Talvez este artefato foi usado em algumas cerimônias ou para meditação.

A esquerda, temos uma placa de jade com a incrustação de uma espiral, também brilha sob a luz negra. Na outra foto [direita]. Você pode ver sete anéis embutidos na placa de jade, que também brilham sob luz negra. Talvez isso poderia ser também uma representação dos sete chakras.
Aqui está uma das cerâmicas encontradas lá. É uma grande obra-prima e a questão é: como você pode fazer este artefato de um pedaço de cerâmica?


Aqui temos uma outra pedra piramidal encontrada também no Equador. No topo você pode ver a pirâmide com o olho e em baixo, você tem espirais e símbolos diversos. Alguns deles são muito semelhantes às placas de Churchward Naacal, que foram encontradas em 1880 na Índia e a tradução fala sobre o continente submerso de Mu.

Este é um mármore com incrustações de uma outra espiral, também brilha intesamente sob luz negra.

Uma outra pedra [esquerda], em forma piramidal com uma incrustação de um olho. A direita, você pode ver novamente a pirâmide com o olho e, na base, você vê a constelação de Órion, as três estrelas de Órion, que pode nos lembra as três pirâmides do Egito.

A esquerda, você tem uma estátua de cerâmica. Você pode ver que o jeito de sentar não é do estilo real pré-colombiano. Parece com o jeito de sentar em Lotus da Ásia. No topo desta estátua há um chapéu com alguns pontos e parece muito similar a muitas das representações  de Buda. Ele tem uma cobra na boca. A cobra é um objeto muito, muito místico e muito frequentemente representado, isso significa que esta estátua não é de qualquer cultura pré-colombiana existente ou conhecida.

Mesmo a outra [a acima, a direita] você pode ver como esta estátua está sentada. Parece mais o estilo da Ásia. Na cabeça, novamente, um chapéu muito estranho. E no centro você pode ver a cabeça de um sapo. O sapo também é um animal muito místico na antiga cultura da América do Sul pré-colombiana, assim como também na África e na Ásia.


A esquerda, outra estátua de cerâmica segurando uma espécie de prato na mão esquerda e também não parece ser realmente a cultura pré-colombiana. A direita, temos um outro artefato muito estranho com uma pessoa segurando um  bastão com uma serpente. Novamente temos aqui a cobra e a pergunta é onde e quem fez esta estátua?

Bolívia



Esta é uma foto do Altiplano da Bolívia. Os arqueólogos e investigadores descobriram que pelo menos há 4.000 anos houve um impacto muito grande na Argentina e a onda de choque desse grande impacto destruiu muitos edifícios de pedra no Altiplano da Bolívia.


Você tem aqui uma foto de Puma Punku, um lugar muito estranho perto de Tiahuanaco, na Bolívia, e você vê toneladas de placas de pedra, perfeitamente trabalhadas, que estão destruídas. Talvez isso tenha sido a reação ao grande impacto na Argentina.


A esquerda, está o meu amigo Giancarlo Bonfanti, pesquisador italiano, no centro da chamada Porta do Sol, em Tiahuanaco, na Bolívia. Alguns pesquisadores afirmam que os bonecos em cimada Porta do Sol, do lado oposto [foto á direita], estão mostrando o calendário de Vênus.

Aqui você tem algumas das grandes placas de pedra de Puma Punku e você pode ver quão perfeito essas pedras foram talhadas. A questão é, você poderia fazer um trabalho tão perfeito com ferramentas simples?

Perto desta área foram encontrados esqueletos com um tamanho de 2,6 metros. A imagem do topo [a esquerda] mostra o crânio de um desses esqueletos e parece que está deformado. Mas definitivamente, esses crânios não estão deformados, eles têm,  naturalmente, a forma de ovo.

Na foto do topo à direita, vê-se o quão forte a mandíbula desses crânios eram. Esta é uma vista frontal, embaixo a direita.


E a foto mais interessante é esta, porque você pode ver que o topo do crânio não tem as três placas que temos como Homo sapiens. Isso mostra-nos que estes esqueletos não são Homo sapiens. O que poderemos fazer é uma verificação de ADN e uma datação destes esqueletos, porque estamos curiosos para saber que tipo de seres humanos existiram há muito tempo e há quanto tempo.

Nas próximas fotos vou te mostrar alguns artefatos encontrados perto dos gigantes verdadeiros. Quando eu peguei pela primeira vez esta máscara [esquerda], em minhas mãos, eu tentei olhar através dos dois olhos. Naquela época eu não sabia que ela pertencia ao esqueletos de 2,6 metros, eu apenas me perguntava por que eles faziam máscaras onde você só pode olhar por um olho? Mas depois de saber que essas pessoas tinham mais de 2,5 metros, eu pude entender que o crânio delas era naturalmente maior que a nossa cabeça e é por isso que essas máscaras eram muito grandes para nós.


Essa é uma outra máscara da Bolívia [direita]. Outra ao centro, esculpida de forma muito maravilhosa, espirais e muitos, muitos símbolos, que também encontramos em muitas outras culturas.
Essa é uma estatueta de pedra muito pesada e, novamente, aqui você pode ver no topo da cabeça, uma serpente indo para baixo nas costas da imagem.
Este é o lado de trás. Você pode ver novamente a serpente, o que significa que a cobra deve ter sido animal muito, muito importante no passado de nossa história.

Aqui você pode ver uma flauta de pedra. O estranho é que a vibração do som da flauta de pedra é exatamente o mesmo que nossas ondas cerebrais. Então isso significa que talvez essas flautas foram utilizados para a meditação ou para fins de cura. E cada dois orifícios estão conectados perfeitamente um com o outro. Isso significa que vocêpode fazer furos perfeitos nesta pedra muito, muito dura, mas como você conecta, com ferramentas simples, os dois buracos no fundo? Isso seria, mesmo em nossos dias, um trabalho muito difícil de se fazer.



BR: Porque é na forma de "U" e se curva dentro da pedra?

KD: É, e com ferramentas simples, definitivamente, você não seria capaz de fazer tal obra, até mesmo os buracos são muito precisos.




Este a esquerda, está na forma de um barco e você tem três furos de flauta no final. A direita você pode ver perfeitamente como eles foram feitos.



Esta é uma outra flauta, muito pequena. Você pode usá-la somente com um leve sopro e o som é como o som dos golfinhos.



Este é um artefato onde não temos qualquer idéia para que finalidade ele foi usado.


Continua...

Total de visualizações de página

Página FaceBook