BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


domingo, 26 de abril de 2015

JAPÃO: A TERRA SUBIU 15 METROS EM APENAS UMA NOITE, EM UMA EXTENSÃO DE UM QUILÔMETRO, TOTALIZANDO 300 METROS.





A maior atividade sísmica global está ocorrendo e existe um sério movimento da crosta terrestre em curso na região ao redor do Norte do Japão.

(25-04-2015) Mar de Hokkaido, Japão.

O súbito aumento maciço de terra em apenas um dia ocorreu ao longo da costa de Rausu, costa leste de Hokkaido no Japão, totalizando mais de 1 km de costa.

A nova terra começou a subir a partir do mar na manhã de ontem (24 de abril de 2015) com apenas uma elevação de 1 metro (3 pés), em seguida, começou a aumentar rapidamente e o evento ainda está em curso em de 25 de abril de 2015. A nova massa de terra chegou a subiu mais de 15 metros acima da água e perto de 10 metros de largura.

Isto está sendo atribuído ao movimento da crosta terrestre na área.


Os especialistas descobriram pelos moradores na costa leste de Hokkaido que a terra já subiu mais de 300 metros de altura. Não se sabe a causa exata, mas viram o litoral sendo levantado.

O litoral da cidade tinha sido levantado cerca de 300 metros de altura e 10 metros de largura, onde foi confirmada a cena em torno das 18:00.

Segundo Emiko Funaki que vive perto (60 anos), “é como um filme, uma coisa que você não pode acreditar acontecer”, relatou.

O Observatório Meteorológico local em Kushiro não confirmou atividades de vulcões e terremotos nos arredores de Rausu no dia 24.

Yuichiro Tanioka, professor de Hokkaido e pesquisador de terremotos e vulcões no Centro de Observação olhou para as fotos da cena e disse que não se sabe a causa, mas “claramente não é um deslizamento de terra, o levantamento da costa pode ser considerado”.

Primeiro de tudo estamos falando sobre a necessidade de analisar o que “está acontecendo na crosta dessa área”.



Fonte: http://www.nhk.or.jp/sapporo-news/20150424/4317821.html


Alterações drásticas que estão Ocorrendo em Nosso Planeta - Parte 3








Em tempos de Transição Planetária, o melhor é esta conscientes dos fatos. Estamos vivenciando o Apocalipse dos tempos, e por nós e nossos irmãos devemos está atentos à realidade que nos encontramos. Os sistemas governamentais e as religiões não te ajudarão realmente, eles passam essa impressão, uso de todos meios e artimanhas, mas só para manter controle sobre você.

Pessoas comuns precisam se unir, para não depender dos falsos que sempre nos escravizaram, judiaram e manipularam, eles sempre nos mantiveram em estados de alienação, nos enganando sobre tudo, para assim, nos manter no controle. Não acredite em falsas promessas, pois de onde vem, serão quebradas.

Muitos estão desatentos com essa realidade, todos temos o dever de ajudar e mostra o caminho, todos sem exceção, estamos aqui por esse motivo. Nunca deixe que seu ego te engane, nunca ache que jamais irá acontecer  com você, se ponha no lugar daqueles que passam por dificuldades, e seja sábio, porem humilde.


Passaremos por todo tipo de testes, dificuldades, tristezas e dores, estamos no começo desse processo, mas não podemos nos deixar abater, precisamos ser fortes, mas conscientes.


A tragédia na Região Serrana do Rio
Parte 1
A chuva era prevista. Mas não houve prevenção, fiscalização nas ocupações das encostas nem planos de contingência. O resultado de tanto descaso foi a maior catástrofe da história do Brasil


img2.jpg

img.jpg
TRAGÉDIA
Barro e detritos cobrem vítimas em Teresópolis
 


Foi tudo muito rápido, como sempre é. Não se passou uma dúzia de horas entre o início do que parecia ser mais uma simples tempestade de verão e as avalanches de lama, pedras e paus que colocaram fim à vida de mais de 500 pessoas e devastaram cidades inteiras da região serrana do Rio de Janeiro. Foi assim, de repente, que a cadeia de montanhas que encantam os cariocas há mais de um século abandonou a aparência sólida e se liquefez. No caminho entre as escarpas íngremes e verdes da Serra do Mar até os vales que a formam, a terra em estado líquido não fez distinção e levou com ela tudo o que estava à sua frente: árvores, pedras, casas, carros e uma quantidade aterradora de vidas. Quando amanheceu, o mundo ali era outro. Em Teresópolis, onde antes havia casas, ruas, escolas, um macabro cemitério ao livre surgiu. O charmoso centro de Nova Friburgo deu lugar a uma camada espessa de lama, detritos e entulhos, escondendo sob ela dezenas de corpos. Em São José do Vale do Rio Preto, o riacho que corta a cidade e serviu de inspiração para Tom Jobim escrever os célebres versos de “Águas de Março” transformou-se em uma corredeira de águas caudalosas, que com sua força destruiu casas, pontes e vidas. Foi assim, com uma rapidez e uma fúria impressionantes, que a maior tragédia natural da história brasileira encontrou seu desfecho numa típica noite quente e úmida de verão.

Sua gênese, no entanto, foi lenta e gradual, e o resultado, previsível. Marcada por características geológicas e climáticas instáveis, a região serrana do Rio de Janeiro está acostumada a recolher corpos sob a terra úmida. Tem sido assim desde as primeiras ocupações, mostram relatos de dom Pedro II, que, como faz hoje a elite carioca, subia à serra para fugir do calor inclemente que castiga a cidade do Rio de Janeiro no verão. Nem mesmo a carnificina de 1967, quando 300 pessoas morreram nas mesmas situações de agora, foi o bastante para se aceitar que, ali, a natureza não se intimida para determinar o curso da vida. Até agora, o resultado dessas tragédias se resume a uma ladainha cíclica de promessas que raramente se traduzem em ações concretas e que sempre terminam nos cemitérios. Foi assim em 1967, como foi em 2008, em Santa Catarina, ou no ano passado, em Angra dos Reis e em Niterói. “Não há desculpa para colocar a culpa nas chuvas, o Brasil não é Bangladesh”, diz a diretora do Centro para a Pesquisa de Epidemiologias da ONU, Debarati Guha-Sapir, em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo” no mesmo dia em que a Organização das Nações Unidas colocava o acidente fluminense como o décimo mais letal entre os deslizamentos de terra da história.


img10.jpg
Debarati tem razão. Ao contrário do país espremido entre a Índia e Mianmar, hádinheiro, tecnologia e mão de obra farta no Brasil para evitar que tantas pessoas percam a vida em uma região tão propensa a acidentes. Dois casos recentes mostram como investimento, controle da ocupação do solo e preparação podem poupar vidas. Na Austrália, neste início de ano, choveu mais do que na região serrana do Rio. No entanto, apenas 19 pessoas perderam a vida por lá. Na Ilha da Madeira, uma região também montanhosa, choveu no ano passado tanto quanto choveu em Nova Friburgo, a cidade mais atingida nesta última tragédia. O número de mortes em Portugal não chegou a 10% das vítimas fluminenses.
img9.jpg

NO CENTRO DA CIDADE
Morro desabou em Nova Friburgo, destruiu partes de um edifício e soterrou casas, deixando os moradores entocados.

Nesses tempos de pânico ambiental, as mudanças climáticas têm sido os algozes perfeitos dos governantes para justificar o injustificável. “Estamos falando de décadas e décadas de administrações omissas”, diz o cientista político Luiz Werneck Viana. “Faltou às prefeituras fiscalizar as zonas em que as ocupações irregulares acontecem, faltou aos Estados desenvolver planos para essas regiões, faltou ao governo federal priorizar a questão do planejamento urbano e da habitação.” A fatura pela falta de investimentos chegou, enfim, mais alta do que nunca.“Os governantes têm uma visão míope que só vale para os quatro anos de mandato”, critica David Zee, coordenador de mestrado em meio ambiente da universidade carioca Veiga de Almeida. “Estado, município e federação têm obrigação de trabalhar de forma integrada, mas todas essas esferas têm sido historicamente omissas.”

Como foram, mais uma vez, neste início de ano. Não há quem conteste que o volume de chuvas que castigou as cidades fluminenses foi de uma intensidade rara. Em menos de 12 horas choveu praticamente o mesmo que era esperado para todo o mês em Nova Friburgo. Mas o inadmissível em um caso como esse é a absoluta falta de preparação e coordenação do poder público para mitigar os efeitos de um desastre iminente e, pior, a completa ausência de planejamento prévio para lidar com suas consequências. Tudo parece ser feito de última hora, como se as soluções só pudessem ser encontradas diante dos acontecimentos. Não há dúvida de que as chuvas da madrugada da quarta-feira causariam deslizamentos e inundações, mesmo que não houvesse ocupação irregular do solo. Os danos materiais também são justificáveis por conta da dimensão das chuvas. Mas, se um simples sistema de alerta funcionasse, o número de vítimas poderia ser reduzido de forma drástica. A tragédia fluminense é repleta de exemplos de como nada disso foi feito, nas duas pontas da incompetência administrativa.

img3.jpg

Na tarde de terça-feira, horas antes do início do temporal, o radar instalado pela Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro no ano passado já emitia dados mostrando que uma chuva de grande intensidade se aproximava da região serrana. O equipamento, conhecido como Doppler, foi adquirido após as chuvas que mataram mais de uma centena de pessoas na região metropolitana da capital fluminense e tem capacidade de cobrir um raio de 250 quilômetros, quase duas vezes a distância que separa o Rio de Nova Friburgo. Mas, por razões que ainda não estão claras, não havia técnicos disponíveis ou capacitados para analisar esses dados e disparar o alerta. Já o Instituto de Pesquisas Aeroespaciais, o Inpe, informou à Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro que um grande temporal estava se formando na região serrana. O órgão recebeu o aviso por volta das 15 horas de terça-feira e diz que emitiu o alerta às cidades por meio de e-mail. Mas a comunicação parece não ter sido benfeita. Os agentes da Defesa Civil de Teresópolis, onde mais de 200 pessoas perderam a vida, garantem que não receberam nada.


img4.jpg

A tragédia desta semana só é atípica no número de mortes. No mais, é uma simples repetição do que ocorre ali há mais de um século, e que vem se agravando com o aumento da população. No entanto, horas após mais de cinco centenas de corpos estarem espalhados por toda a região, o poder público parecia não ter nenhum plano para lidar com uma situação como essa. Não havia, por exemplo, tarefas predefinidas para os atores públicos, como é de se esperar em uma região que anualmente sofre com desastres exatamente iguais a esse. Tudo parece ter sido resolvido de última hora. E as autoridades pareciam se orgulhar ao informar que a Marinha havia emprestado dois helicópteros, que o Bope, especializado no combate armado contra traficantes, havia liberado ônibus ou que o Exército enviara caminhões frigoríficos para dar conta do número extraordinário de corpos que eram recolhidos.

chuvas-rio.jpg





Continua...


O que Sabemos não é tudo que Existe - Parte 42 - IBIS REDIBIS




Antiga expressão latina. Na linguagem moderna IBIS REDIBIS se aplica aos documentos oficiais obscuros ou ambíguos



IBIS REDIBIS - protocolos obscuros! Como eles podem pretender silenciar os chamados Teóricos da Conspiração que tanto os incomodam, se eles são os principais fornecedores dos mais interessantes "materiais de trabalho"? Vejam só essa: ACIDENTE DE AVIÃO NO HAVAÍ ALIMENTA AS TEORIAS DA NACIONALIDADE DE OBAMA...


... Como não é novidade alguma, existem nos EUA movimentos que denunciam e tentam provar uma suposta falsa nacionalidade do atual Presidente do país, Barack Obama que oficialmente seria cidadão norte-americano, nascido no Havaí. Essas teorias dizem que ele, ora seria um cidadão nascido na Indonésia, com outro nome, e forjado pela CIA para se tornar o Presidente dos EUA, ora seria um cidadão do Kênia e, portanto, inelegível para a Presidência dos EUA pelo fato de supostamente ser estrangeiro....


... Em 12 dezembro de 2013, em um vôo de rotina entre Molokai e Honolulu, um pequeno avião comercial Cessna do tipo Gran Caravan da Makaini Kai Air, logo após a decolagem e devido a "uma falha catastrófica no motor" caiu no oceano. A aeronave transportava nove passageiros, além da tripulação - todos resgatados com vida por unidades de socorro locais, sendo três deles por um helicóptero de resgate da Guarda Costeira e os demais por unidades do corpo de bombeiros local.... EXCETO POR UMA PASSAGEIRA, A ÚNICA A MORRER NO TAL ACIDENTE....


... Precisamente Loretta Fuddy, aos 65 anos de idade, que desde 2011 ocupava o cargo de Diretora do Serviço Estadual de Saúde do Havaí...


...E que recentemente, a pedido do próprio Presidente Barack Obama, e de modo a por um fim nas suspeitas sobre a sua nacionalidade (e em reconhecimento ao seu status de Presidente dos EUA), "abriu uma exceção" e expediu duas cópias computadorizadas da sua certidão original de nascimento como cidadão norte-americano, natural do Havaí - e tendo autoridade para tal, ainda autenticou a sua veracidade. Aliás, o documento oficial acima, expedido por Loretta Fuddy e dirigido a Barack Obama em 25 de abril de 2011, é um primor de sutileza e de ambigüidade - do modo como foi redigido podendo dar margem a uma dupla interpretação: - ou seja, poderia significar que Loretta, "contrariando as normas", e em face do "status do Presidente", teria emitido no computador documentos ORIGINAIS (???) da origem havaiana e, portanto, americana de Obama. Em síntese, seria um tipo muito sutil de mea culpa de modo a livrar a sua responsabilidade, podendo eventualmente significar que fora obrigada a fazer isso! E se foi esse o caso, Loretta tornou-se um arquivo vivo, extremamente perigoso....


... Pois é, a coisa é mesmo tão gritante que os chamados Teóricos da Conspiração não foram os únicos a farejarem esse curioso acidente e as seus antecedentes. Até mesmo o magnata das finanças Donald Trump se pronunciou em uma rede social: - Surpreendente que a Diretora Estadual de Saúde que autenticou as cópias da "certidão de nascimento" de Obama morreu em uma acidente de avião hoje. Todos os outros sobreviveram"....


... UMA OFERTA QUE VOCÊ NÃO PODE RECUSAR - conforme já estampa uma das sutis cartinhas do Illuminati Game, o jogo da NOVA ORDEM MUNDIAL!


.... Pois é, tudo sugere uma típica e, aliás, muito sutil "queima de arquivo". E não terá sido o primeiro caso! Pois, existem mesmo certas "ofertas" de fato tão irresistíveis que jamais podem ser recusadas!


Coisas obscuras? SIM! Voltemos novamente ao nosso "amigo" polvo da NRO / NSA, o bizarro símbolo de uma nova missão de espionagem global dos EUA, que consiste numa rede de satélites espiões, lançados em órbita da Terra por um foguete ATLAS-5, sob o lema; - "NADA ESTÁ ALÉM DO NOSSO ALCANCE".O que significa que o Império Romano redivivo está muito mais perigoso do que outrora, em meio aos seus deambulatórios sonhos de poderio e conquistas, uma vez que no passado somente poderia ameaçar o mundo com armas e meios rudimentares - o que não acontece hoje, pois detém um imenso e cada vez mais letal poderio bélico - além, tal como os senhores de um espelho mágico diabólico, da capacidade de espionar e de monitorar tudo o que acontece no planeta. Esse recente lançamento, ocorrido ao final do ano de 2013, foi encarado com um deboche e um desafio ao mundo, diante da recente revelação dessas obscuras atividades de espionagem mundial e dos protestos em nível global contra o Governo Americano. Nesse sentido, o simbolismo do polvo é bastante claro: seus tentáculos sufocam a Terra!...


Essas missões, codificadas como NROL, são todavia muito antigas e já vêm sendo levadas a efeito sem que a humanidade e os vários países afetados (espionados) até então soubessem. O deboche faz parte do jogo, como pode ser visto nesse logotipo da missão NROL-38: - ou seja, um foguete "estrategicamente" colocado, penetrado no globo terrestre, e por trás a imagem de ANÚBIS - o deus chacal do Antigo Egito, o senhor da morte, num efeito imoral e obsceno de imagem que dispensa maiores comentários. Aliás, faz sentido, pois é ISSO mesmo que eles fazem com a humanidade. Mas os aprendizes de feiticeiros estão brincando com coisas erradas e, por vezes, perigosas. Pois, ANÚBIS é o vingador, o deus vingador, a representação velada de Forças Universais que destruíam sem a menor piedade os maus e os profanadores!


... Por trás de todo esse simbolismo esconde-se um caráter, digamos, "mágico" da coisa, pois é sabido que tanto a NASA quanto outros Órgãos do Governo dos EUA estão infiltrados por uma verdadeira sociedade secreta ocultista e os seus obscuros rituais de adoração a certas divindades satânicas! Acredite, então, que nada disso é por um mero acaso. Nessa outra missão, a NROL-34, por exemplo, é feita, mais uma vez, uma apologia ao simbolismo fálico do foguete e à ancestral divindade nórdica ODIN....


...O lema da missão, estampado no foguete que a conduziu, era também extremamente sugestivo: - A SABEDORIA CONDUZ À FORÇA , A FORÇA DEFENDE A LIBERDADE...


... Poderia até ser, menos quando está associada ao simbolismo mágico pervertido da NOVA ORDEM MUNDIAL e dos famigerados ILLUMINATIS! ODIN era um deus nórdico complexo: era o deus da sabedoria, da guerra e da morte - como também da magia, da profecia, da vitória e da caça. Como deus da guerra, era encarregado de enviar suas filhas, as Valquírias, para recolher os corpos dos heróis mortos em combate. Segundo a tradição, no fim dos tempos Odin conduzirá os deuses e os homens na batalha do fim do mundo...


...E nada demais nisso. Pois, faz sentido! ODIN era o nome do Disco Voador nazista, impulsionado pela misteriosa força VRIL. E, lembremos, remanescentes nazistas fundaram a NASA! Cerca de 5 mil deles foram "importados" pelos EUA após o término da Segunda Guerra Mundial (1945). Reproduziram-se, perpetuaram-se, desde então em território americano!


...E aqui, uma outra dessas missões ostentando esse curioso logotipo. contendo a imagem de três criaturas que, com as suas garras, manipulam e controlam o planeta Terra. Essas missões quase sempre ostentam uma frase latina - a língua das magias e das invocações mágicas, a linguagem dos feiticeiros! Essa, missão, por exemplo, ostentava: NON MORIERES BELLO - frase tradicional que vem da Antiga Roma, cujo significado é interpretado como: - "Não morrerás na guerra".


Aliás, o simbolismo ocultista dessas missões é sempre muito claro - nesse outro logotipo, por exemplo, um demônio flamejante circula triunfalmente a Terra envolta por trevas - ou, melhor dizendo, mostra uma face escura da Terra! Aqui, a frase latina presta-se a muitas interpretações. Uma delas: - "Das raízes ao topo da sepultura" - sinistro!


Esse outro logotipo, então, torna-se extraordinariamente revelador e até mesmo muito direto: um dragão alado domina o nosso planeta e a frase latina significa: - TODAS AS VOSSAS BASES ESTÃO SOB O NOSSO DOMÍNIO, ou ainda: - TODAS AS VOSSAS BASES (OU ESTRUTURAS) NOS PERTENCEM... (OU SERVEM)! A seta aponta para uma estrela onde provavelmente se situaria o mundo da criatura draconiana, ou reptiliana que domina a cena .


... Já neste outro, ameaçadoras serpentes também sufocam e dominam o nosso planeta. Sempre com frases latinas crípticas, contendo um simbolismo oculto obscuro, muito utilizado por sociedades secretas, e por vezes contendo deboches e expressões do mais refinado humor negro. O curioso lema latino acima significa: - NUNCA ANTES, NUNCA NOVAMENTE...


... Mas, certas coisas nesses bizarros logotipos não são dotadas de humor algum, tal como esse logotipo de uma certa "DIVISÃO DE EXPLORAÇÃO DE TECNOLOGIA ALIENÍGENA", no qual é explicitamente mostrada a imagem de um alien gray, sutilmente acorrentado e, logo abaixo, depois de uma palavra ininteligível, o nome JAY, numa alusão ao nome de uma dessas criaturas (JAY ROD) que atua como "consultora" do fornecimento de tecnologia alienígena aos EUA na famosa ÁREA 51!


...E que essas criaturas já agem por aqui há bastante tempo não é novidade alguma. E as provas disso continuam a surgir, notadamente nas peças arqueológicas provenientes das civilizações Maia e Asteca, escondidas por décadas pelo Governo Mexicano e somente agora liberadas! Os exemplares acima mostrados são expressivos e muito reveladores: - eles chegaram... E estão se reproduzindo aqui!


Xiiii! E agora uma notícia recentemente divulgada dá conta que: O MÓDULO LUNAR CHINÊS NÃO ENCONTROU QUAISQUER EVIDÊNCIAS DOS POUSOS AMERICANOS NA LUA! Segundo a notícia, aliás divulgada por várias fontes, a XINHUA, Agência Estatal de Notícias Chinesa, confirmou que a recente missão chinesa enviada à Lua não encontrou na sua superfície um simples arranhão que pudesse provar que os americanos estiveram por lá antes, E que as fotos tomadas pelo módulo em áreas tidas como pontos de pousos de naves americanas revelaram ser superfícies intocadas pelo homem, assim como a inexistência de quaisquer sinais que comprovassem atividades nelas. E também que - vejam só - isso desapontou os criadores do veículo chinês, pois ele estava equipado com ferramentas especiais destinadas a cortar as bandeiras dos EUA lá encontradas, substituindo-as por bandeiras chinesas!...


... Aliás, a provocação parece ter começado bem antes do lançamento daquela missão chinesa, na ocasião em o módulo que iria à Lua foi apresentado à Imprensa. Por trás da réplica do artefato, existia uma coisa que pouca gente reparou: - a imagem do planeta Terra, porém com um sutil detalhe, precisamente no ponto marcado pelas duas setas....


... E o que tinha de tão sutil ali? - Simplesmente a imagem de uma bomba nuclear, um cogumelo atômico explodindo sobre a Europa!


Aliás, e sem qualquer trocadilho, a NASA parece estar sofrendo o seu inferno astral. Conforme vimos na nossa página anterior, uma notícia dava conta que a Estação Espacial Internacional ISS ficara com o seu setor de resfriamento ALEIJADO. O termo absolutamente estranho foi este mesmo, "aleijado", quando em condições normais poderia ter sido usado o termo "defeituoso", ou ainda outro qualquer mais apropriado. O certo é que foi um dano grave, em um setor crítico, o qual demandou duas semanas para que os astronautas americanos finalmente pudessem substituir uma bomba de resfriamento danificada. Para que vocês entendam, a Estação Espacial ISS tem o lado americano e o lado russo - cada qual independente e ocupado pelos seus respectivos astronautas. Atualmente, os EUA possuem no seu lado apenas dois astronautas. E esse curioso dano que "aleijou" a bomba de óleo somente ocorreu no lado americano. O nome "aleijado", aliás, parece sugerir um ataque sofrido pela ISS, uma vez que naves diferentes dos tradicionais UFOs constantemente a cercam e a provocam... Justamente no lado americano da ISS!...


... Pois, muito embora os governos mundiais, assim como os seus órgãos científicos, de segurança e Informações, SAIBAM MUITO BEM QUE OS UFOS EXISTEM, tanto que têm em seu poder quadros de identificação dos diversos tipos dessas naves (que verdadeiramente são centenas de tipos), isso não está totalmente atualizado, uma vez que muito recentemente surgiram em cena alguns OUTROS exemplares não catalogados:


... Estamos nos referindo a uns certos tipos de naves diferentes, que desde o ano de 2011 e emergindo de imensos portais dimensionais que se abriram em várias regiões do espaço sideral, se encaminharam na exata direção do nosso Sistema Solar, e já estão aqui por cima - circulando não somente nas proximidades do nosso planeta, como também abertamente desfilando na nossa atmosfera! A aparição acima ocorreu em dezembro de 2013, na Califórnia...


..... E assim como aquela, muitas outras estão surgindo!....


.... Surgindo e AGINDO, sistematicamente promovendo uma espécie de "operação limpeza" lá por cima, abatendo sem piedade os tradicionais UFOs discóides, tripulados pelos famigerados humanóides grays e os lagartos reptilianos - perigosos e hostis inimigos da humanidade e agindo no nosso planeta há bastante tempo com o apoio de certos governos ambiciosos e traidores da espécie humana. O UFO abatidos acima foiliquidados sobre o céu de Montana, EUA, em dezembro de 2013....


...Também na mesma época, e em Toronto, no Canadá, um UFO discóide foi flagrado no céu e até registrado por uma emissora de TV....


... E talvez tenha sido o mesmo que foi abatido no céu daquele país em 20 de dezembro de 2013, tendo sido registrado por uma cidadã brasileira lá residente, cuja foto nos foi gentilmente enviada! (FOTO: Cleide Amorim - cortesia: UM NOVO DESPERTAR)


... E que tem gente estranha na área esses governos já estão cansados de saber - e é "alguém" que está fazendo questão absoluta de se mostrar! Vejam, por exemplo, a exibição de uma colossal nave piramidal sobre a Neumayer Station, na Antártica, em 28 de dezembro de 2013...


... Quem tripula essas naves dierentes, de onde vêm, e por que estão aqui? Eis o mistério!


E por falar em mistério.... MISTÉRIO SUBTERRÂNEO - para começar com chave de ouro o ano de 2014, um enorme mistério está intrigando as autoridades de Seattle, EUA...


.... BERTA é o nome da maior e mais potente perfuratriz subterrânea do planeta e estava sendo utilizada em Seattlle, Estado de Washington, EUA, para abrir um rodovia subterrânea complementar naquela cidade. Quando toneladas de terra e rochas estavam sendo removidas a uma profundidade de 15 metros, tudo transcorria na esperada normalidade até que subitamente a possante máquina estancou!...


.... Alguma coisa no meio do caminho simplesmente bloqueou a passagem da imensa perfuratriz capaz de triturar tudo, inclusive abrir túneis em montanhas! Nada conhecido poderia deter BERTA, até o momento em que ela esbarrou com o desconhecido! As autoridades locais estão perplexas, incapazes de identificar a origem do intrigante problema, atribuído a "um possível sítio arqueológico". Mas, que tipo de sítio arqueológico poderia bloquear aquela poderosa perfuratriz? Especulações surgem a todo instante, fala-se em vestígios de uma antiga civilização desconhecida, ou então um milenar UFO acidentado, e até mesmo em uma base alienígena sob Seatlle!...


..... E assim, por mais de duas semanas, permanecia BERTA, o orgulho da engenharia humana - vista pela sua traseira, engasgada, interrompida e impotente, sem que encontrem qualquer solução para o estonteante problema. Os Engenheiros apenas sabem que se trata de um objeto desconhecido e massivo, e tentam por meios de brocas sondar o local para descobrir o que realmente aquela coisa é. E se acaso se tratar de fato de vestígio de uma civilização desconhecida, de um UFO soterrado, ou então de uma base alienígena, você acha que eles revelariam a embaraçosa verdade ao público? Claro que NÃO, pois foi exatamente ISSO que fizeram para abafar inúmeras outras "indigestas" descobertas arqueológicas, sufocadas em várias partes do mundo, para que a humanidade não soubesse a verdade e assim devesse permanecer!


IBIS REDIBIS! - Nas Antigas Roma e Grécia, as Sibilas era mulheres dotadas de poderes paranormais, detentoras dos dons da vidência, da clarividência, da telepatia e da clariaudiência, sempre consultadas nos seus oráculos por aqueles que desejavam saber o futuro e o destino. Toda frase, assim como todas as respostas oraculares, eram propositadamente ambíguas - ou sibilinas - dando, assim, margem à dupla interpretação conforme a pontuação que se queira utilizar. A frase Ibis redibis non morieris in bello é tradicionalmente, a resposta dada pela Sibila a um soldado romano que havia consultado o oráculo sobre o êxito de sua missão. Se for colocada uma vírgula antes de "non" (Ibis, redibis , non morieris in bello), o significado da resposta é "Irás, retornarás, não morrerás na guerra". Portanto, a missão terá êxito. Se porém a vírgula for deslocada para depois da negação (Ibis, redibis non , morieris in bello), a frase terá sentido oposto: "Irás, não voltarás, e morrerás na guerra". Foi exatamente por isso que a expressão IBIS REDIBIS é hoje utilizada para classificar documentos, coisas, ou fatos, obscuros e ambíguos. Enfim, com pontuação, ou sem ela, quer queiram ou não, incomode a quem possa incomodar, é hoje a subilina resposta de um oráculo silencioso, servindo, então, para definir o campo das explorações, das buscas e do trabalho do Realismo Fantástico.






Total de visualizações de página

Página FaceBook